terça-feira, 1 de maio de 2012

Se fosse, já era.

Tem gente que bate os olhos e na primeira vista se apaixona e quer casar, quer ter filhos, sítio... até a eternidade.
Tem gente que bate os olhos nos olhos e no outro dia os olhos na boca e dali a um mês, os olhos no coração e se apaixona, e quer casar, escolhe nome dos filhos, compra um sítio... é feliz até a eternidade.
Mas com alguns o amor demora ainda mais pra chegar.
Vão meses, até anos e as pessoas dizem que o tempo, a convivência, o costume é o que faz a gente gostar e querer os filhos e a eternidade.
Há quantos meses nesse rola-enrola, três? quatro?
Se fosse pra ser, já era.
Eu quero é olhos nos olhos, filho e sítio.
Sentimento até que vem com o passar das segundas-feiras, com a troca de SMS, com a cumplicidade. Mas esse sentimento parece laranja temporona, forçada, espremida pra sair.
Quando é pra ser, é natural. É imã que te puxa e me arrasta também.
Quando é pra ser, dá vontade de ser todo dia, fazer carinho, contar só a verdade e não querer mais ninguém.
Se fosse pra ser, já era. É por isso que conosco é morno, é passado, é vencido; é porque já era pra ter sido mas não foi.